(49) 3621.2810

Você está em: Início  Edições  Cálculos Renais! Conceitos e Atualidades


Equipe

Revista SOS Saúde
(49) 3621.2810
revistasossaude@hotmail.com

Rua Almirante Barroso, 1151 - Centro
São Miguel do Oeste, SC

Cálculos Renais! Conceitos e Atualidades

Cálculo renal ou urolitíase, popularmente denominado “pedra no rim”, é uma massa ou agregado de cristais sólidos que se forma nos rins a partir de sais minerais presentes na urina, mediante um desequilíbrio metabólico na urina. Os cálculos do sistema urinário são geralmente classificados em função da sua localização nos rins (nefrolitíase), ureter (ureterolitíase), uretra (uretrolitíase) ou bexiga (cistolitíase), ou em função da sua composição química (constituídos por cálcio, oxalato, fosfato, ácido úrico, cistina ou outros minerais), e podem assumir diversas formas e tamanhos.

Os cálculos renais são, algumas vezes, expelidos do corpo através da urina, podendo ou não causar sintomas. Quando um cálculo atinge uma dimensão considerável, geralmente superior a 3-5 mm, pode provocar obstrução parcial ou total do ureter. Essa obstrução causa hidronefrose (dilatação das vias urinárias) e contração (espasmo) do ureter. Esses fatores provocam dores, sentidas de forma mais intensa na região lombar (nas costas) e nos flancos (região latero - anterior do abdômen) - uma condição denominada cólica reno ureteral.

As cólicas renais e/ou ureterais podem estar associadas a náuseas, vômitos, febre (raro), sangue na urina, dentre outros sintomas urinários. As cólicas renais geralmente manifestam-se em episódios com duração de 20 a 60 minutos, cursando com dores de forte intensidade, muitas vezes relatada pelo paciente como “a pior dor que já sentiu na vida”. O diagnóstico dessas crises de dor é realizado mediante a história clínica e do exame físico do paciente, associados a exames complementares como: exames de laboratório (hemograma, parcial de urina e avaliação da função renal) e exames de imagem (radiografia, ecografia, tomografia). Muitas vezes é necessário o internamento para uso de medicações por via intravenosa, uma vez que os pacientes não toleram ou não respondem satisfatoriamente ao tratamento medicamentoso por via oral.

O tratamento baseia-se no tamanho e na localização do cálculo, assim como na sintomatologia do paciente, podendo-se indicar (após avaliação do urologista) desde medicamentos por via oral (conhecido como terapia expulsiva), até intervenção cirúrgica. Atualmente, as cirurgias para a abordagem dos cálculos renais ou ureterais são realizados, quase que via de regra, por via endoscópica, de forma minimamente invasiva. Essas cirurgias são bastante seguras, com tempo de internamento curto e de alta resolutividade.

Realizo procedimentos nesta área há mais de 10 anos, com atualização continuada para oferecer aos pacientes o que existe de mais atual nesta área de tamanha importância dentro da urologia (a endourologia), a nível nacional e mundial. Dispomos de uma equipe especializada e de todo material necessário para o tratamento dos cálculos urinários (incluindo a disponibilidade da máquina de laser para a fragmentação dos cálculos), além de capacitação técnica de alto nível, com conceitos e condutas baseadas na Universidade de São Paulo (USP) - um dos maiores e melhores grupos de litíase em todo mundo.

Clínica de Urologia Dip

Dr. Luís Fernando Dip

Médico Urologista e Cirurgião Geral - CRM/PR 21524 | RQE 348

Acesse a matéria na revista


(49) 3621.2810

revistasossaude@hotmail.com

Rua Almirante Barroso, 1151 - Centro
São Miguel do Oeste, SC

Mapa de localização

Revista SOS Saúde © Todos os direitos reservados